Infraestrutura e Desenvolvimento Econômico: os Estados Neo-utilitário, Autônomo, Facilitador e Desenvolvimentista

Fernando Dall'Onder Sebben

Resumo


Este trabalho apresenta um modelo analítico para analisar o impacto das políticas públicas de infraestrutura no desenvolvimento econômico. Para tanto, utiliza duas varáveis principais: 1) padrão de relacionamento entre os setores público e privado (autonomia inserida); 2) política infraestrutural, classificada como horizontal, quando seu princípio norteador é a busca pela eficiência e tem como foco o fortalecimento de vantagens comparativas, e vertical, quando sua essência é a construção de capacidades produtivas e tecnológicas, articuladas à indústria, e seu foco é a criação de vantagens competitivas. Essa combinação dá origem a quatro tipos ideais: Estado Neo-utilitário, Estado Autônomo, Estado Facilitador e Estado Desenvolvimentista, que são descritos e exemplificados com casos empíricos. O resultado apresenta um modelo analítico que permite classificar e avaliar satisfatoriamente as políticas públicas de infraestrutura e seu resultado esperado em termos de desenvolvimento econômico.

Palavras-chave


Desenvolvimento Econômico; Política Industrial; Política de Infraestrutura

Texto completo:

PDF

Referências


ACEMOGLU, D.; ROBINSON, J. Why nations fail: the origins of power, prosperity and poverty. New York: Crown, 2012.

BANCO MUNDIAL. World Development Report 1994: Infrastructure for Development. Washington, D. C.: World Bank, 1994.

BOSCHI, R.; GAITÁN, F. Gobiernos progresistas, agendas neo desarrollistas y capacidades estatales: la experiencia reciente en Argentina, Brasil y Chile. In: LIMA, M. R. S. (Org.). Desempenho de governos progressistas no Cone Sul: agendas alternativas ao neoliberalismo. Rio de Janeiro: Ed. IUPERJ, 2008. p. 179-205.

BRASIL. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Lei nº 8.031, de 12 de abril de 1990. Cria o Programa Nacional de Desestatização, e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 13 abr. 1990.

BRASIL. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Estudo da Dimensão Territorial para o Planejamento: Estudos Prospectivos - Escolhas Estratégicas. Brasília: MP, 2008. Disponível em: . Acesso em: 10 dez. 2013.

BRASIL. Oportunidade de Negócios em Serviços Brasil– Chile. 2014. Disponível em: . Acesso em: 28 dez. 2014.

CHILE. Presidenta Bachelet anuncia plan de inversiones en infraestructura del transporte público. 2014. Disponível em: . Acesso em: 30 dez. 2014.

EVANS, P. O Estado como problema e solução. Lua Nova, São Paulo, n. 28-29, p. 107-157, 1993.

EVANS, P. Autonomia e parceria: Estados e transformação industrial. Rio de Janeiro: Ed. da UFRJ, 2004.

FONSECA, P. C. D. Desenvolvimentismo: a Construção do Conceito. 2014. Disponível em: . Acesso em: 20 nov. 2014.

FRANKO, P. The Puzzle of Latin American Development. Lanham: Rowman & Littlefield, 2003.

FURTADO, C. A pré-revolução brasileira. Rio de Janeiro: Fundo de Cultura, 1962.

FURTADO, C. Cultura e Desenvolvimento em época de Crise. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1984.

FURTADO, C. Ensaios sobre a Venezuela: subdesenvolvimento com abundância de divisas. Rio de Janeiro: Contraponto, 2008.

FUSER, I. O caminho pedregoso da integração energética. 2015. Disponível em: . Acesso em: 03 fev. 2015

HIRSCHMAN, Albert O. Estratégia do desenvolvimento econômico. Rio de Janeiro: Fundo de Cultura, 1961.

HUNTINGTON, S. P. O Soldado e o Estado: teoria política das relações entre civis e militares. Rio de Janeiro: Biblioteca do Exército, 1996.

KHANNA, P. O Segundo Mundo: impérios e influências na nova ordem global. Rio de Janeiro: Intrínseca, 2008.

KRETER, P. Atores e interesses chilenos nas negociações com o MERCOSUL: a política exterior do Chile para o MERCOSUL nos anos 1990-2000. 2006. Dissertação (Mestrado em Relações Internacionais) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2006.

LAFER, C. O. Planejamento no Brasil: Observações sobre o Plano de Metas – 1956-1961. In: LAFER, B. M. Planejamento no Brasil. São Paulo: Perspectiva, 1975. p. 29-50.

LESSA, C. Quinze anos de política econômica. São Paulo: Brasiliense, 1982.

LIMA, S.C. Reforma do Estado e o Setor de Infra-Estrutura no Brasil no Período 1990-2002. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais) - Faculdade de Filosofia e Ciências, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Marília, 2012.

LIN, J.; CHANG, H. Should Industrial Policy in Developing Countries Conform to Comparative Advantages or Defy It? A Debate Between Justin Lin and Ha Joon Chang. Development Policy Review, London, v. 27, n. 5, p. 483-502, 2009.

MARIANO, M. P. O Papel do Brasil na Integração na Infraestrutura da América Do Sul: Limites Institucionais e Possibilidades de Mudança. In: DESIDERÁ NETO, W. A. O Brasil e novas dimensões da integração regional. Rio de Janeiro: IPEA, 2014. p. 229-290

NORTH, D.; WEINGAST, B. Constitutions and Commitment: The Evolution of Institutions Governing Public Choice in 17th Century England. Journal of Economic History, Cambridge, v. 49, n.4, p. 803-832, Dec. 1989.

OLIVEIRA, F. A economia da dependência imperfeita. Rio de Janeiro: Graal, 1989.

ORENSTEIN, L.; SOCHACZEWSKI, A. C. Democracia com Desenvolvimento: 1956-1961. In: ABREU, M. P. (Org.). A Ordem do Progresso: cem anos de política econômica republicana, 1889-1989. Rio de Janeiro: Campus, 1992. p. 28-33.

OLIVEIRA, R. P. Velhos fundamentos, novas estratégias? Petróleo, Democracia e a Política Externa de Hugo Chávez (1999-2010). 2011. Tese (Doutorado em Ciência Política) – Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Minas Gerais, 2011

PERES, W.; PRIMI, A. Theory and Practice of Industrial Policy. Evidence from the Latin American Experience. Serie Desarrollo Productivo, Santiago, n. 137, fev. 2009.

PEREZ, C. Technological Revolution and Financial Capital. The Dynamics of Bubbles and Golden Ages. Cheltenham: Edward Elgar, 2002.

PINHEIRO, F. P. Incorporação da Venezuela ao MERCOSUL: razões para o impasse no Legislativo brasileiro. Observador On-Line, Rio de Janeiro, v. 4, n. 3, mar. 2009.

POLANYI, K. A Grande Transformação. 2. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2000.

PORRAS, J. I. La estrategia chilena de acuerdos comerciales: un análisis político. Santiago: CEPAL, 2003.

RAMPONI, G.; PINHO, P. B. Subdesenvolvimento na América Latina: Um Estudo de caso Brasil e Venezuela. Trabalho apresentado no VI Congresso Latinoamericano de Ciência Política, Quito, 2012.

SOUTH AMERICAN ENERGY MARKETS - SAEM. Chávez admite derrota en Gran Gasoducto del Sur .2007. Disponível em: . Acesso em: 20 dez. 2014.

SCHNEIDER, B. R. A privatização no governo Collor: triunfo do liberalismo ou colapso do Estado desenvolvimentista? Revista de Economia Política, São Paulo, v. 12, n. 1, p. 5-18, jan./mar. 1992.

SIGMUND, P. Chile. In: WIARDA, H.; KLINE; H. (Ed.). Latin American Politics and Development. 5th ed. Boulder: Westview, 2000.

SEN, A. K. Desenvolvimento como liberdade. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

SKOCPOL, T. States and Social Revolutions. Cambridge: Cambridge University Press, 1979.

UNITED NATIONS INDUSTRIAL DEVELOPMENT ORGANIZATION - UNIDO. Competitive Industrial Performance Report 2012/2013. Viena, 2013.

VAN EVERA, S. Guía para estudiantes de Ciencia Política. Barcelona: Gedisa, 2002.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista da SEP - ISSN 1415-1979